setembro 29, 2008

Dica — Coleta seletiva

Publicidade

CULTURA INGLESA – BANNER DE CONTEUDO

Matéria publicada na edição 41 | Setembro 2008 – ver na edição online 

Na prática

Uma folha de papel leva de três a seis meses para se decompor. Para uma latinha de alumínio esse processo pode durar  200 anos e, no caso de uma garrafa de vidro, até milhares de anos. Informações como essas são lembradas com freqüência pelos professores em sala de aula. Mas, somente falar pode não trazer tantos resultados quanto colocar a lição em prática. Que tal praticar a coleta seletiva de lixo? A escola pode ser o espaço para dar o pontapé inicial em ações que incentivem o aluno a mudar hábitos e, acima de tudo, levar a mensagem para outros lugares.

Na escola Stance Dual, localizada na região central de São Paulo, foi implantado, em 2000, o projeto Agenda 21, no qual uma das campanhas permanentes é a coleta seletiva. A idéia trouxe bons resultados, conforme destaca Débora Regina Colonezi, coordenadora do projeto: “Com a separação do material reciclável, os alunos se mobilizaram na redução e reciclagem do lixo. Hoje, a coleta seletiva ultrapassou os muros da escola. Atingimos não só os estudantes, mas as famílias deles e a comunidade.” De acordo com Débora, todos os estudantes participam, mas a campanha fica sob responsabilidade de um grupo de alunos do Ensino Fundamental,  que faz reuniões quinzenais, vai às salas falar com outras crianças e chega até a dar palestras em empresas.

Já no Colégio Adventista, unidade Alvorada, na zona sul da capital paulista, os alunos começam desde a pré-escola a se integrar nos projetos de coleta seletiva e reciclagem. A professora de Ciências, Gediany Rodrigues, comenta que o fato de os alunos participarem do processo é fundamental para o aprendizado:  “Primeiro, alertamos em sala de aula sobre os problemas que o ambiente está passando por causa do lixo. E aliamos isso à prática para o assunto se fixar com mais facilidade na vida diária.”

A Stance Dual deixa os contêineres no pátio, separados por cores e tipo de material. Duas vezes por semana, um caminhão da cooperativa de reciclagem Associação Vira Lata recolhe os resíduos. No Colégio Adventista, a  Organização Não-Governamental Amigos do Meio Ambiente é responsável pela coleta do material.  Segundo Fabrício França, diretor de operações  do Instituto Triângulo, ONG voltada a questões ambientais, essa é a maneira mais fácil de descartar o material. “Não adianta somente separar o lixo, tem de reciclar depois. As ONGs são as melhores alternativas para isso. Além de ajudar pessoas carentes com a  geração de renda,  essas cooperativas colaboram com o meio ambiente”, explica França.

Em São Paulo, as escolas também têm a alternativa de solicitar o serviço à Prefeitura. De acordo com a assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Serviços, o colégio deve verificar se a rua já é atendida pelo Programa de Coleta Seletiva. Se não for, a solicitação de contêiner pode ser feita pelo telefone 156. A coleta será realizada pelas concessionárias, com freqüência de uma a duas vezes por semana, nos períodos diurnos ou noturnos. Mais informações no site www.limpurb.sp.gov.br. Verifique na Prefeitura de sua cidade se existe coleta seletiva implantada.

Continue Lendo

Assine nossa Newsletter

Veja agora este vídeo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.