Maio 3, 2016

O que faz um designer

Publicidade

CULTURA INGLESA – BANNER DE CONTEUDO

Muitas pessoas quando ouvem a palavra “design” associam-na apenas ao desenho. Entretanto, nós que estudamos e atuamos nesse mercado, sabemos que design vai muito além de saber desenhar. Antes de tudo, precisamos entender o que significa a palavra DESIGN. No Brasil, essa palavra não tem um significado correto, ou seja, não existe tradução para a palavra no português, por isso, a maioria das associações que temos vem dos EUA, onde 3 possíveis traduções existem para o mesmo termo: design como desenho; design como projeto e design como desígnio (finalidade)

Design não é apenas desenho! No curso superior, se ouve muito o termo projetar. Que é totalmente aceitável também. Na cultura popular, design é apenas associado a desenho (que não é totalmente errado), mas como vamos ver mais na frente, existem áreas do design que necessariamente, não utilizam desenho.

As pessoas tendem a confundir DESIGNER com DESIGN. DESIGN é a profissão, ou seja, onde trabalhamos, estudamos e atuamos. DESIGNER é o profissional, ou seja, a pessoa que atua na criação nas áreas de design. Ficou claro?

Não? Então vamos aprender um pouco sobre 3 áreas de atuação no design: Design Gráfico, Design de Moda e Design de Produto.

DESIGN GRÁFICO

A área de Design Gráfico (talvez a mais conhecida) é a área que engloba habilidades com elementos textuais e não textuais que compõem peças gráficas criadas com a finalidade ou objetivo de comunicar visualmente uma mensagem, conceito ou ideia. Técnicas e habilidades precisam ser dominadas pelos profissionais de design (designers) para que essas mensagens/ideias sejam claras e objetivas. Sua função é basicamente demonstrar significados para artefatos através de sua composição e aparência, induzindo o usuário a associar uma peça gráfica para um conceito.

A área é muito fragmentada, formadas por várias subdivisões, entre elas estão:

  • Design Digital: é a área que usa a criatividade e a técnica para desenvolver interfaces digitais interativas, atrativas e eficazes. Essas interfaces, podem ser sites, aplicativos, animações, entre outras.
  • Design Editorial: é a área destinada para impressos (jornais, revistas, livros…), onde os designers desenvolvem layouts que atraem o leitor e orientam o modo de compreender aquelas informações. Com a evolução da internet, os impressos estão perdendo força para os materiais denominados E-BOOKS. Estes por sua vez, são matérias editorias feitos para serem exibidos no computador invés de serem impressos.
  • Web Design: é a área que usa o design gráfico como base para criação de sites e documentos exibidos na Internet. Outros conhecimentos são utilizados para a criação de um site, e o web designer precisa ter domínio sobre essas áreas para criar um site. Basicamente, ele se preocupa com a usabilidade eficaz dentro de uma interface.
  • Design de Games: é a área específica para criação de games. O Game Designer atua em praticamente todas as áreas de criação de um jogo, suas habilidades vão além da parte visual, elas se estendem para as regras, jogabilidade e roteiro. Para a criação de um jogo, outras áreas de conhecimento são necessárias, como: programação, computação gráfica, sonoplastia, direção de arte… Dificilmente um game é produzido por apenas uma pessoa que possua tantas habilidades para a produção desse artefato.
  • Ilustração: é o profissional que usa habilidades de desenho e colorização para expressar personagens, cenários e objetos através do desenho. Com a evolução da tecnologia, as ilustrações ganharam vida no meio digital e saíram um pouco mais do papel. Os Ilustradores, são profissionais que precisam ter várias habilidades e técnicas de desenho, proporção, perspectiva… quanto mais habilidades, mas possibilidades podem ser expressas através dos desenhos.

Existem outras áreas de atuação para o Design Gráfico.Tipografia, Design da Interação, Arte-Finalização e outras, são mais algumas. Realmente não tem como limitar os campos de atuação desses profissionais, existem infinitas possibilidades. Além do mais, conhecimentos sobre tipografia, cores, produção gráfica, tipos de papel, psicologia, entre outros, não se resumem apenas ao uso de um software gráfico.

DESIGN DE MODA

É onde os conceitos de design são aplicados a roupas e acessórios. Como no design gráfico, os artefatos são criados a partir de conceitos e ideias expressos através de peças de roupa. As peças são influenciadas por latitudes culturais e sociais, e variam ao longo do tempo e lugar. Na maioria das vezes, os designers de moda trabalham com desenho de vestuários e acessórios. Os profissionais dessa área precisam ter conhecimentos em cores, tecidos, matérias, costura, entre várias outras coisas. Eles podem trabalhar por conta própria, em lojas, empresas, fotografia, em consultorias de moda ou até mesmo na organização de desfiles. Mas o mais importante, é estar antenado nas tendências da Moda pelo Brasil e mundo.

Esses profissionais utilizam muito a psicologia nos estudos para coleções, uma vez que eles precisam entender o que o consumidor quer consumir nesse mercado. Esses resultados vêm através de pesquisas e métodos, só assim, podem chegar num resultado estético agradável e conceitual. Calças, vestidos, camisas, blusas, bonés, toucas, calçados, lenços e muitas outras coisas.

Existem profissionais que atuam em outras áreas também, Games é uma delas. Mas basicamente, design de moda é isso que foi citado acima.

DESIGN DE PRODUTO

Também chamado projeto de produto ou design industrial, é a área de design que utiliza métodos para a criação e produção de objetos e produtos tridimensionais. Geralmente os artefatos são projetados para pessoas, mas as vezes, pode ser feito para animais ou como objeto de decoração. O designer de produtos, geralmente possui conhecimentos em várias áreas além do design. Já que nessa área, conhecimentos em arquitetura, anatomia, entre outros, são muitíssimo importantes, sem falar nos conhecimentos específicos do mercado em que a empresa atua.

Tudo o que vemos é um produto! Logicamente, existem várias ramificações de atuação fragmentadas dentro do Design de Produto: mobiliário, automóveis, eletrônicos… e a lista não para.

Imagine um projeto de um carro. Nele existem vários designers de produto participando do processo de criação. Um para desenhar o modelo do carro, um para os bancos, outro para o painel… existem várias áreas de atuação e possibilidades infinitas. Pare e pense por um instante quantos produtos são nacionalmente conhecidos pelo design diferenciado: garrafas de bebidas, canetas, perfumes etc.

O principal objetivo do designer de produto, é criar um artefato esteticamente bonito e agradável e que cumpra a sua função corretamente, sem prejudicar o usuário. Conhecimento em softwares 3D é essencial para a representação tridimensional do artefato.

Dizer o que faz um designer é uma tarefa difícil. Nesse mundo criativo, é mais fácil perguntar o que NÃO faz um designer. Dependendo do processo e área de atuação, o designer pode atuar em todos (ou quase) todos os processos de criação em um projeto. As possibilidades são praticamente infinitas e requerem muitas habilidades e conhecimentos. Ser Designer não é fácil, por isso precisamos estar sempre estudando, pesquisando e estar antenados nas novidades.

E aí? Qual área de atuação você prefere?

Continue Lendo

Assine nossa Newsletter

Veja agora este vídeo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.