agosto 18, 2016

Saiba tudo sobre o rotavírus

Publicidade

Convex – Banner de conteudo

Por Dra. Priscila Zanotti Stagliorio

O Rotavírus é uma das principais causas de diarreia grave em bebês (lactantes), crianças e jovens. Conhecido também como gastroenterite, possui sete tipos diferentes, sendo apenas três possíveis de infectar o ser humano. Temido pelos pais, é uma das enfermidades que requerem, de fato, cuidados especiais e imediatos, principalmente por ser de fácil contagio e provoca desidratação rápida.

Embora todos nós (adultos) estamos suscetíveis ao contágio deste vírus – que geralmente não provoca muitos danos à saúde –, é com os pequenos que os episódios podem ocorrer com mais frequência e ao qual devemos ter mais atenção. O quadro mais grave pode acontecer até os dois anos de idade da criança. Até os cinco é possível que ela vivencie pelo menos uma ou duas vezes a infecção. Em casos mais severos, uma em cada 300 infectados pelo Rotavírus, pode acontecer complicações sérias e levar o paciente ao óbito.

Felizmente, no Brasil, a vacina contra o Rotavírus é aplicada desde 2006 e está disponível no calendário do Programa Nacional de Imunizações, distribuídas gratuitamente nos postos de saúde, o que contribuiu e muito para a minimização dos casos infecciosos em todas as regiões.

Existem dois tipos de apresentação da vacina: a monovalente, que deve ser administrada por via oral em duas doses (aos dois e quatro meses) e a pentavalente, em três doses (aos dois, quatro e seis meses). O intervalo mínimo entre uma dose e outra é de 30 dias. A partir de 2014, a aplicação da primeira dose da vacina monovalente foi estendida para até os três meses e 15 dias da criança, e a segunda até os sete meses e 29 dias de vida do bebê.

Entenda o que é o Rotavírus:

É uma bactéria transmitida por via fecal-oral, também, pelo contato direto entre as pessoas, uso em comum de acessórios e utensílios pessoais (colheres, copos, etc., brinquedos (falta de higiene e limpeza – lembrem-se que as crianças lambem e levam a boca tudo o que podem), alimentos e água contaminada, além de falta de saneamento básico.

Como é transmitida:

 Em crianças, acontece especialmente pela falta de higiene das mãos, utensílios e brinquedos. O vírus fica encubado por cerca de dois dias e os primeiros sintomas começam a dar sinais.

Quais são os sintomas:

  • Vômitos – seguido de desinteresse em comer e beber água
  • Diarreia aguda, geralmente aquosa, com cheiro forte e ruim, sem sinais de muco e ou sangue
  • Mal-estar e Febre
  • Dores no corpo e náusea
  • Em alguns episódios pode ocorre tosse e coriza
  • Duram em média entre três a oito dias e tendem a sumir
  • Em casos severos, desidratação – considerados mais graves e que precisam de cuidados imediatos

Há ocorrências em que a infecção não apresenta sinais e passa desapercebida – principalmente em adultos. Também, nos quadros moderados, dura alguns dias e regride.

Como se dá o Diagnóstico

Geralmente o médico (a) solicita um exame de laboratório – principalmente nos primeiros dias após o início da infecção – para comprovar a existência o vírus nas fezes do doente. Sem o exame fica difícil identificar a bactéria, por ter semelhança com outras doenças.

Como tratar:

Antes de qualquer medicação, é importante manter a criança hidratada para repor o liquido perdido nos episódios de diarreia e vomito. Ofereça água, soro (caseiro ou indicado pelo pediatra), suco natural e, no caso de lactantes, amamentação livre. É o médico (a) quem irá indicar medicação, caso seja necessária.

Em sinais de cansaço, falta de ânimo e prostração (em que a criança fica sem ação), leve-a ao pronto-socorro para uma avaliação mais rápida e até possível internação.

Como identificar a desidratação:

Sonolência, irritabilidade, muita sede, boca seca, olhos fundos (olheira e abatimento) falta de vontade de fazer xixi por longo período, ausência de lágrimas e pele opaca. Sempre busque informações com o seu médico para tratamentos.

Vacinação contra o Rotavírus:

A Vacina está disponível nos postos de saúde de todo o país, conhecida como monovalente, (administrada por via oral em duas doses aos dois e quatro meses) e a pentavalente (aplicada em três doses aos dois, quatro e seis meses). As crianças que tomam a vacina ficam protegidas em 98% de ter diarreia graves causadas pela bactéria do Rotavírus e em 74% delas de ter qualquer diarreia relacionada do vírus.

Sobre Dra. Priscila Zanotti Stagliorio

É médica pediatra há mais de dez anos, atua na zona norte de São Paulo, em consultório particular, no Pronto Socorro do Hospital São Camilo – unidade Santana, e na rede Dr. Consulta – unidades Tucuruvi e Santana. Em seu currículo possui diversas participações em congressos, cursos de especialização e atuações em prontos socorros, clinicas e ambulatórios médicos da grande São Paulo – Capital. Oferece curso personalizado para gestantes, com o objetivo de ajuda-las na mais importante missão de suas vidas: ser mãe. Para agendar consulta e ou solicitar informações sobre o curso de gestante:  priscilazs@yahoo.com.br / contato@jcgcomunicacao.com – coloque no assunto a informação que deseja saber e ou solicitar.

Continue Lendo

Assine nossa Newsletter

Veja agora este vídeo

Comentários encerrados.