fevereiro 21, 2017

Dica – Berçários Construindo ambientes

Publicidade

CULTURA INGLESA – BANNER DE CONTEUDO

Por Rafael Pinheiro

A estrutura escolar, observada através de um certo distanciamento, carrega em sua jornada uma série complexa de objetivos, envolvimentos intrínsecos, desdobramentos diários, sensações de pertencimento, conhecimento de si e do outro, convivência social e uma lista extensa de valores que são agregados à medida que o aluno cresce e avança em seu ensino.

Tendo como base um circuito educacional denso, composto por vários anos (desde a educação básica até o ensino superior), notamos a presença e a inserção precoce de alunos nas escolas. Estes alunos adentram os espaços dos berçários que, geralmente, recebem bebês a partir dos quatro ou cinco meses de idade. Assim, é preciso avaliar certos requisitos dos berçários, sua função pedagógica, de higiene, cuidado e segurança.

“O pré-requisito indispensável para garantir um ambiente agradável e tranquilo no berçário é, sem dúvida, imprimir um caráter educativo. É preciso equacionar cuidados físicos e educacionais. Não adianta ser impecável nos cuidados com o bebê no período em que ele está na escola e não acolher e orientar a mãe, por exemplo”, afirma Cláudia Tricate, psicóloga e diretora pedagógica do Colégio Magno/Mágico de Oz, localizado em São Paulo.

Pensando nisso, o Baby Oz (berçário-referência que está integrado ao projeto do Magno/Mágico de Oz) realiza, ao longo do ano, Encontros Pedagógicos – com o intuito de promover a interação dos pais com o berçário, além de esclarecer dúvidas e conhecer o trabalho dos profissionais que cuidam diariamente de seus filhos.

“Convidamos o especialista em Motricidade Humana da escola para explicar a importância dos estímulos para o desenvolvimento global do bebê; a psicóloga esclarece dúvidas sobre o desenvolvimento emocional da criança; a fonoaudióloga aborda os aspectos que influenciam a linguagem; e a pediatra da escola, responsável por orientar as babás e toda a equipe de enfermagem do Magno/Mágico de Oz, também fala com os pais sobre fatores que interferem na saúde da criança e os cuidados do Baby Oz com o bebê, como a higienização de brinquedos, controle de vacinas e avaliações da enfermagem e da pediatra”, explica Cláudia.

Além da aproximação dos pais nos cuidados do berçário, a formação de equipe, conta Cláudia, deve ser tão coesa quanto o trabalho com os bebês. “Nós percebemos que a partir de uma capacitação as babás modificam a concepção e levam o conhecimento adquirido não só para o dia a dia no berçário, mas para a vida”. A capacitação acontece em diferentes áreas do conhecimento e faz parte da rotina de todos os profissionais da escola. No caso das babás, elas não aprendem apenas sobre os cuidados com o bebê e higienização, mas também de capacitação nas áreas de música, artes, desenvolvimento motor, entre outras.

Continue Lendo

Assine nossa Newsletter

Veja agora este vídeo

Comentários encerrados.