agosto 11, 2017

O professor que está fazendo falta: absenteísmo e saúde mental

Publicidade

CULTURA INGLESA – BANNER DE CONTEUDO

Por Miriam Guimarães

 A falta de um professor é um dos piores cenários que uma escola pode ter de enfrentar. É a quebra da rotina escolar que traz muitos transtornos. Muitas reacomodações são necessárias.

Se o professor é essencial, justifica-se a preocupação com os dados a seguir: “No estado de São Paulo, 136 mil licenças médicas foram concedidas a professores, num grupo de 220 mil profissionais, em 2015. A principal causa das licenças ocorre por problemas ligados à saúde mental como pânico, depressão e transtornos de ansiedade”.

Ser um bom professor significa ter muito mais competências do que em outros tempos. Hoje há um abismo colossal entre um matemático que dá aulas e um Professor de Matemática.

Precisamos de professores que vão além da mera “transmissão de conteúdos”, porque o aluno precisa aprender habilidades diferentes. Precisamos que olhem e atendam os alunos, em suas necessidades acadêmicas, sociais e emocionais e saibam interagir construtivamente com elas.

Que professor foi preparado para isso?

A sensação de falta de recursos internos é um fator estressor em todos nós. A percepção de grau dificuldade de uma tarefa se relaciona a quanto nos sentimos preparados para lidar com ela. Sem recursos, nos sentimos vulneráveis e isso traz uma sobrecarga emocional que compromete a saúde. Viver em sobrecarga cotidianamente nos faz adoecer e pode, consequentemente, gerar ausências no trabalho.

Desde 1997, na Espanha, Jose Esteve alertava para as dificuldades dos professores europeus pela falta de preparo que sentiam para atender às novas demandas e previu o crescimento do absenteísmo docente por estresse no mundo todo. É o que vivemos atualmente no Brasil.

E como ninguém ensina o que não sabe, o professor precisa ser preparado com as competências necessárias para gerenciar o novo ambiente de aprendizagem, para que possa implementá-las na sua prática pedagógica.

Saber promover diálogos, estimular o pensamento crítico, mediar conflitos e contribuir para a formação da identidade adulta dos jovens, faz parte da função da escola que forma cidadãos para o séc. XXI; competências que trazem muitos ganhos sociais para alunos e professores.

Além do benefício a longo prazo, há também vantagens imediatas. Pesquisas realizadas nos Estados Unidos em 2015 apontam que, além de reduzir a quantidade de licenças médicas por estresse, escolas que têm professores com mais recursos socioemocionais:

  • Conseguem criar um ambiente emocionalmente favorável, beneficiando a aprendizagem dos alunos
  • Funcionam como boa referência para que os alunos também ajam com maior assertividade e equilíbrio.
  • Têm maior facilidade em manter as classes calmas, bem organizadas e com mais autonomia dos alunos.

Se, para a escola a falta do professor é pesadelo, um professor com mais recursos pode trazer exatamente o efeito que se deseja: que todo o investimento se reverta no máximo de aprendizagem e no bem-estar geral da comunidade atendida.

Continue Lendo

Assine nossa Newsletter

Veja agora este vídeo

Comentários encerrados.