dezembro 5, 2017

O gestor educacional transmidiático: quem ganha com isso?

Publicidade

Convex – Banner de conteudo

Quando o gestor faz bem sua tarefa ordinária, ele acaba sendo percebido como extraordinário. Comunicar também é ficar na porta cumprimentando e percebendo os fluxos e as pessoas que deles fazem parte. O imaginário de segurança fica maior e se apresenta além do presencial na clareza de informações sobre o calendário, eventos, avaliações, mudanças de rotina como trabalhos de campo e visitas técnicas, anormalidades como obras e mudanças de pessoas, processos e projetos. Gestores transmidiáticos usam todos os espaços e veículos comunicativos para demonstrar sua visão de conjunto.

Desenvolver antevisão é outra habilidade que a equipe gestora transmidiática deve atentar. A humanidade vive um momento histórico caracterizado pela exigência de contato imediato. As escolas são instituições formadoras com caracteres conservadores diante de inovações. O gestor transmidiático muda esse paradigma quando faz o sólido ficar líquido. Explico-me usando os conceitos de Zigmunt Bauman: “vivemos tempos de modernidade líquida”, onde redes comunicativas formam-se de maneira instantânea. Mantenedores e gestores atentos à conjuntura se reinventam na forma de se expressar. Um exemplo disso é o Papa Francisco que usa o Twitter para transmitir, em tempo real, mensagens repletas de significado. A tradição que adere à inovação.

Qualificar o corpo docente e discente, além de colaboradores, para o uso das novas tecnologias de comunicabilidade é tarefa para ontem. Publicar, postar, comentar, compartilhar e curtir nas redes sociais demonstra um modo de ver o mundo por parte das instituições e requer zelo e moderação. Sites, Twitter, Facebook, Wattsapp, redes socais fechadas e aplicativos devem fazer parte da vida profissional dos gestores escolares. O exemplo é mais eficaz que discursos. Chega de gestores educacionais dizerem que são avessos às tecnologias de informação! Elas chegaram com força e isso é inevitável. Não dá para negar e fugir!

Gestores educacionais transmidiáticos são uma exigência do mercado e dos valores presentes no imaginário dos nativos digitais. Tudo que é sólido desmancha no ar (Marx), nesses tempos líquidos. Você está on ou off ?  Sua escola está conectada, desconectada ou imigrante? Eis a questão!

Gestores educacionais transmidiáticos, uni-vos! Todos ganham com isso!

Professor Msc. Paulo Henrique de Souza – Historiador, doutorando em Educação e Tecnologia (Portugal), Idealizador do Movimento Educação é o Alvo, que promove ações de formação, capacitação e debate de temas relacionados à gestão e educação. paulohenrique@educacaoeoalvo.com.br

Continue Lendo

Assine nossa Newsletter

Veja agora este vídeo

Comentários encerrados.