Janeiro 16, 2018

Conversa com o Gestor – Educação transformadora: Horizontes e perspectivas contemporâneas

Publicidade

Convex – Banner de conteudo

A instituição conta, por exemplo, com uma disciplina de design maker, para desenvolver habilidades socioemocionais por meio de vivências empreendedoras. Mais do que a disciplina, o colégio possui um espaço maker que permite a experimentação, invenção e criatividade para que os alunos aprendam com o uso de ferramentas e novas tecnologias de forma autônoma. “Procuramos reforçar a ideia de empoderamento dos jovens: ao mesmo tempo em que há liberdade, as cobranças de resultados são altas. Assim, os alunos também já se preparam para o mercado de trabalho”, explica o professor.

Outro projeto idealizado pelo colégio Plank é a “Metodologia Científica de Ensino’’, que fará uso de Smartface e uma sala de aula autônoma para que os alunos entendam mais sobre captação de recursos, orçamento, planejamento, mensuração de resultados e recebam feedbacks de seus mentores.

De acordo com Guadalupe, o desenvolvimento das habilidades não-cognitivas exige do professor também um papel de mentoria e a tecnologia se torna mais um recurso pedagógico, que ainda pode ser explorado com todo o seu potencial. “Os educadores são agentes da transformação e precisam acompanhar e entender o universo de seus alunos para estarem capacitados a atender todas as expectativas das escolas e dos pais”, ressalta. Sendo assim, é importante que a disseminação de tecnologias e inovações dentro de uma instituição aconteça na medida em que essa cultura seja implantada e vivida dentro de cada instituição, diante do empoderamento de alunos e docentes por meio desses recursos.

ESPÍRITO EMPREENDEDOR

O Colégio Mary Ward, localizado no bairro do Tatuapé (SP), seguindo a filosofia de sua fundadora, Mary Ward, acredita que educar é transformar o mundo e libertar o ser humano. Por essa razão, tem como objetivo desenvolver o espírito empreendedor nos alunos dentre as atividades escolares.

No segundo ano do Ensino Fundamental I, o empreendedorismo começa a ser ensinado de uma forma diferente, por meio da Gincana do Mary Ward, que organiza e traz diferentes pensamentos e formas de como ajudar as entidades atendidas pelo Colégio.

Já do 6º ano do Ensino Fundamental II até a 3ª série do Ensino Médio, o aluno participa do projeto Empreendedor, onde aprende na prática sobre aplicação de juros, porcentagem, regra de três, desenvolvimento do raciocínio lógico, além de efetuar diversas operações, como análises de gráficos estatísticos, e de obter conhecimento sobre propaganda, SAC (Serviço de Atendimento ao Consumidor), embalagens, consumismo, cesta básica, direito do consumidor, investimentos e poupança, entre outros temas. “Tudo isso é associado à prática social que é realizada semanalmente no trabalho de grupo de jovens”, diz o professor de Ensino Religioso do colégio, Ricardo Sebold Cois.

“Nosso objetivo com o projeto nunca foi o incentivo à posse ou ao consumismo, mas o de oferecer ao mundo bons cidadãos, através do estimulo a ideias inovadoras, à persistência, ao comprometimento e à autoconfiança”, destaca o professor.

Continue Lendo

Assine nossa Newsletter

Veja agora este vídeo

Comentários encerrados.