setembro 10, 2017

Escolacentrismo – Um breve histórico da educação no Brasil

Publicidade

CULTURA INGLESA – BANNER DE CONTEUDO

Logo após o descobrimento do Brasil, os jesuítas começaram a colonização dos índios com o objetivo de ensinar os preceitos católicos e da sociedade europeia da época. Aos poucos imigrantes e indígenas fundaram pequenos vilarejos que orbitavam ao redor das igrejas e escolas.

Apesar dos papéis da igreja e da escola na prática se misturarem, no Brasil colonial tudo que se referia à educação do ponto de vista do homem branco partia da instituição de ensino: crianças, imigrantes e índios aprendiam a ler, a cultura europeia e eram catequizados.

A Escola exercia um papel central e monopolizador da educação, por isso o termo Escolacentrismo: a escola como centro referencial de educação da sua região.

Com a monarquia, a educação mudou de rumo valorizando a rede doméstica de ensino organizada a partir de casas grandes para filhos dos senhorios. Nascem as primeiras escolas particulares do país.

Depois de passar por um período elitista, com a entrada do regime republicano o ensino tornou-se laico e público. Nesta época a escola passou a se concentrar unicamente nos alunos. A aquisição de conhecimento era de responsabilidade da escola e a formação de valores ficava a cargo das famílias, principalmente das mães e avós.

Após a Segunda Grande Guerra, com o início do ingresso das mulheres no mercado de trabalho, o aumento da longevidade e produtividade dos avós e a queda da qualidade do ensino público forçando as famílias a desembolsarem dinheiro para prover seus filhos de uma boa educação, criou-se uma lacuna no processo educacional. Os pais delegaram a educação plena para as escolas que, na maioria dos casos, não estavam preparadas para assumir esse papel, gerando sequelas sentidas até hoje.

Não sei ao certo o quanto os problemas da educação no Brasil contribuíram para o estado atual da sociedade. A desestruturação social, os altos índices de violência, a falta de educação e a corrupção são provavelmente causa e efeito do sistema socioeducacional brasileiro.

Diante deste cenário, ao invés da escola, a família e a comunidade unirem forças em prol da melhoria da educação, o que acontece é justamente o contrário. É comum escutarmos escolas atribuírem os problemas com alunos às famílias e vice-versa.

Como a escola vê a família:

– Professores sentem-se incomodados quando os pais opinam nas áreas em que se julgam competentes;

– Professores culpam as famílias pelas dificuldades apresentadas pelos alunos;

– Professores criticam os pais por não ajudarem no dever e não estarem presentes nas reuniões de pais;

– A família, principalmente a mãe, exige uma educação compensatória, pois fica pouco tempo com os filhos.

Como a família vê a escola:

– Os pais não entendem o processo de ensino-aprendizagem;

Continue Lendo

Assine nossa Newsletter

Veja agora este vídeo

Comentários encerrados.