Guia para Gestores de Escolas

Como as escolas devem mudar para um mundo pós-coronavírus

Durante séculos, a educação formal foi administrada nas salas de aula tradicionais. Mesmo agora, quando as crianças entram na universidade ou no ensino médio, elas são “sentenciadas” a horas e horas de conteúdo em sala de aula. Embora tenha havido uma mudança para o aprendizado experiencial por meio de métodos como a sala de aula invertida, a COVID-19 provavelmente mudou para sempre a maneira como educamos.

Hoje, os alunos estão recebendo seus conteúdos em casa. Está se tornando mais fluido a cada dia e pais e filhos estão se acostumando a isso. Se as escolas não agirem agora, elas correm o risco de se tornarem redundantes, já que o mundo acabou de descobrir o potencial do aprendizado on-line no conforto do lar. Embora os líderes educacionais não precisem reinventar completamente a roda, seria prudente um olhar honesto no espelho retrovisor para identificar o que está faltando.

Devido às maiores demandas da sociedade moderna e a mudança acelerada pela COVID-19, o aprendizado experimental é o ingrediente essencial que falta na atualidade. O criador da Teoria da Aprendizagem Experimental (ELT), David Kolb, definiu que é o “processo pelo qual o conhecimento é criado através da transformação da experiência”. Kolb apontou que um aprendiz eficaz é uma pessoa que pensa, sente, percebe e depois se comporta. As experiências reais expõem os alunos ao potencial de exercitar todos os seus sentidos em uma medida muito maior do que as experiências tradicionais em sala de aula.

Além disso, compartilho um comentário que ouvi de um amigo e jamais esqueci: “alguém me ensinou trigonometria na escola primária, mas na verdade aprendi no cockpit de um avião enquanto aprendia a voar… e nem sabia que era trigonometria”. Nem todo aluno pode participar de tais atividades, mas a maioria das escolas possui recursos suficientes para simular suficientemente esses ambientes.

Funcionários prontos para o futuro

Enquanto o mundo inteiro está atualmente experimentando a descentralização do conhecimento, a experiência prática também é importante porque novos contratados podem começar a correr. O tempo de orientação e de transição para se adaptar às circunstâncias da “vida real” é reduzido, criando um benefício significativo para qualquer empresa. Embora isso também ajude na retenção de funcionários, certamente facilitará o processo de recrutamento.

Conforme relatado pelo eLearning Industry, o aprendizado experimental fornece: aprendizagem acelerada dos alunos; uma experiência de aprendizagem “segura”, na qual os alunos podem cometer erros sem repercussões; uma ponte entre palestras e prática real; mudança de mentalidade; aumento no engajamento; retorno mais potente do investimento do aluno na educação; resultados da avaliação mais precisos e menos subjetivos; aprendizado mais personalizado quando é prático e não como uma palestra direcionada a multidão.

Tais oportunidades experimentais desenvolvem “habilidades sociais” aprendendo a gerenciar o estresse e resolver conflitos, o que contribui para funcionários mais eficientes e desejáveis. Esta é a queixa número um de empresas que recrutam funcionários – a falta de habilidades pessoais. Um ambiente colaborativo promove competências socioemocional, cultural, de responsabilidade, de criatividade, de habilidades sociais e muito mais.

Por onde começar

Para os alunos, não é apenas o que é ensinado, mas também como e onde. Considere usar salas de aula ao ar livre para se conectar melhor com a natureza, móveis confortáveis ​​e móveis para facilitar a aprendizagem em grupo em uma variedade de atividades situacionais.

Em uma escala maior, considere um espaço físico que se parece mais com uma obra de arte do que com uma prisão para promover a alegria de aprender. As escolas podem criar oportunidades de aprendizagens ativo e passivo. Ao mesmo tempo, isso não deve ser um esforço para atrair crianças para longe de casa. O envolvimento da família é fundamental para o sucesso de uma criança, e a oportunidade de envolver os pais chegou porque eles agora estão preparados para assumir um papel mais ativo (como fazer tarefas diárias com as crianças) graças aos esforços de contenção do coronavírus. Esse interesse pode ser sustentado, aproveitado e transferido para uma parte normal da educação, mesmo quando os alunos retornarem, desde que as oportunidades de participação dos pais aumentem e a comunicação entre a escola e a família permaneça mais frequente.

Receba nossas matérias no seu e-mail


Relacionados
× Fale conosco!