Guia para Gestores de Escolas

EAD: Educação.com

A tecnologia ganhou uma dimensão incalculável na contemporaneidade. Nos últimos anos, em especial, avistamos o crescimento de aplicativos, ferramentas digitais facilitadoras que transitaram em todas as esferas sociais – inclusive a educação. “Sabemos que o acesso à internet já é uma realidade para grande parte dos brasileiros e, sem dúvida, essa é uma das grades vantagens do Ensino a Distância”, diz Pedro Filizzola, especialista em tecnologia para o setor de educação.

Observando os aspectos e as interferências tecnológicas na educação, é possível aliar a facilidade do acesso nas plataformas digitais com o crescimento de conexões entre diversos aparelhos (computador, celular e tablet). “Outro ponto importante é a redução da desconfiança, já que o EAD no Brasil possui diploma válido, assim como o curso tradicional. Além do fator econômico, que também influencia diretamente, sendo menos da metade do valor, em sua maioria, quando comparado com o ensino presencial”, destaca Filizzola.

“Um dos pontos cruciais para o sucesso do ensino a distância é a flexibilidade e comodidade que o aluno possui neste tipo método. É possível estudar em casa ou em qualquer outro lugar que o aluno preferir, ele ainda pode ditar seu próprio ritmo, da forma que melhor contribuir para o seu aprendizado”, complementa o especialista.

É possível afirmar que a Educação a Distância cresce a passos largos no Brasil. Em 2004, por exemplo, havia 60 mil estudantes matriculados nessa modalidade de ensino. Já em 2016, a modalidade disparou, atingindo um total de 1,5 milhão de matriculados. Mesmo com a crise política e econômica dos últimos anos, dados da ABED (Associação Brasileira de Educação a Distância) mostram que a modalidade a distância foi a única que apresentou crescimento de matrículas no Brasil e, hoje, são 1,8 milhão de alunos.

O crescimento com relação ao ensino a distância fica evidente, também, no número de polos de ensino, especialmente nos cursos oferecidos para o ensino superior: do final de 2017 até o momento, são mais de 15 mil polos de EAD em todo o Brasil. A expansão não só possibilita uma ampliação e flexibilização do ensino, como leva a educação a um maior número de pessoas em diversas regiões do país.

“Esse crescimento no número de alunos de EAD no Ensino Superior tem forte poder de transformação social, pois envolve pessoas que, de maneira geral, trabalham, sustentam suas famílias e que dificilmente poderiam cursar o Ensino Superior presencial. Além disso, por alcançar com mais facilidade diferentes regiões do país, oferece a oportunidade de qualificação para uma população que vive em cidades menores, o que por si só é muito importante, pois favorece um desenvolvimento mais homogêneo do país”, ressalta Carlos Longo, pró-reitor Acadêmico da Universidade Positivo e diretor da ABED. (RP)

Saiba mais:

ABED – http://www.abed.org.br

Carlos Longo – [email protected]

Pedro Filizzola – [email protected]

Receba nossas matérias no seu e-mail


Relacionados
Fale conosco!