Guia para Gestores de Escolas

Playground: Diversão na escola

A brincadeira, a diversão e a experimentação representam, no espaço educacional, elementos significativos que integram momentos de total sinergia. Promover atividades em uma área destinada ao lazer – externo ou interno – intensifica um desenvolvimento pautado pela livre e espontânea alegria, habilidade cognitiva, exercendo uma pluralidade imaginativa indiscutível.

Sob essa ótica, a inclusão de um ambiente específico para brincadeiras, com equipamentos e brinquedos adequados, que estimulam a ligação entre aprendizado e diversão de forma lúdica, sadia e prazerosa, ressaltam características únicas a todos os alunos.

“O parque é um diferencial nas escolas pela riqueza de oportunidades motoras e sociais que ele oferece. Os pais valorizam muito esse espaço também. Aqui no colégio costumamos dizer que é um dos cartões de visitas da educação Infantil”, conta Lia Mara Santos, Coordenadora da Educação Infantil do Colégio Divino Salvador de Jundiaí (SP).

O colégio, que reformulou há um ano a sua estrutura infantil, priorizou a experimentação e as características lúdicas que são desenvolvidas, sobretudo, para essa fase de ensino. “Os principais pontos que levaram o colégio a reformar sua estrutura infantil foi a necessidade de tornar o espaço mais desafiador para a criança, prezando sempre pela segurança e envolvendo a criatividade, o lúdico e o desenvolvimento delas”, completa a coordenadora.

Utilizando um playground de madeira plástica – modelo que não absorve umidade e é resistente ao sol, chuva, corrosão e não solta farpas – algumas recomendações foram observadas pelo colégio para a implementação do playground, como: contemplar a faixa etária que utilizará o parque (interesses e necessidades motoras), a segurança (procurando minimizar todo e qualquer risco) e seguir as normas da ABNT.

Atualmente, é possível encontrar no mercado uma variedade extensa de brinquedos adequados de acordo com faixa etária, tamanho, cores e formatos. Acacio Frauches, empresário do setor, destaca, como uma novidade na área de playgrounds, os kid plays – internos e externos – personalizados e com projetos cenográficos. Os modelos, segundo Acacio, podem assumir vários formatos (navios, animais, floresta, submarino, avião, entre tantos outros) e promovem, através da diferenciação estética, uma nova relação com os brinquedos.

No que tange a escolha do fornecedor, o empresário ressalta uma dica essencial para os/as gestores/as: averiguar muito bem a empresa antes da compra. “Infelizmente algumas empresas trabalham com materiais precários, de segunda linha, e segurança é primordial. É preciso solicitar, no contrato, uma descrição de todo o material utilizado, obter cotações com várias empresas e acompanhar todo o processo de montagem”, ressalta Acacio. (RP)

 

Saiba mais:

Acacio Frauches – [email protected]

Lia Mara Santos – [email protected]

Receba nossas matérias no seu e-mail


Relacionados
× Fale conosco!