Janeiro 22, 2018

O que as escolas podem aprender com a Disney?

Publicidade

Convex – Banner de conteudo

“É divertido fazer o impossível! Eu gosto do impossível porque lá a concorrência é menor.  Você não terá segunda chance de causar a primeira impressão.”

Os parques temáticos da Disney têm várias lições para as escolas, que desejam e captação, fidelização e retenção de alunos para a viagem maravilhosa e mágica do conhecimento. Não por acaso o “sobrenome” de Magic Kingdom ou Reino da Fantasia/Magia, em português.

Desde a Educação Infantil as escolas deveriam exercer sobre o imaginário estudantil uma atração mágica capaz de criar uma narrativa que leva a uma experiência diferente que toca os sentidos e mobiliza o conhecimento empírico  que os aristotélicos chamavam de peripatética, onde se ensina e aprende passeando, ao ar livre. A maioria dos educadores comentam que a medida que os estudantes crescem deixam de lado o entusiasmo pela escola e suas propostas.

A acolhida ou recepção dos “convidados” é impecável na Disney. As escolas deveriam aprender a forma de receber com qualidade as famílias que optam por matricular seus filhos em suas dependências, com cortesia, amabilidade e assertividade. Isto, deveria se dar, desde a primeira ligação telefônica para coleta de informações, até a formatura e despedida dos estudantes da instituição. Um encanto perene, que faz as famílias e estudantes a desejarem retornar a escola.

Os convidados da Disney são envolvidos por uma atmosfera de educação corporativa que envolve desde os zeladores até os diretores, fruto de uma formação continuada, planejada, testada e avaliada pelo Benchmarking  que é um processo de comparação de produtos, serviços e práticas empresariais, e é um importante instrumento de gestão.

benchmarking é realizado através de pesquisas para comparar as ações de cada concorrente e melhorar os processos.  As escolas que tem gestores focados em benchmarking, analisam as estratégias das concorrentes e, possibilitam um ambiente onde a criatividade, ganhem forma, para que novas ideias surjam e sejam implantadas.

O “jeito Disney” de gerir foca na qualidade, produtividade e no treinamento do seu “elenco” (nome dado a todos os colaboradores) para a multiplicação de melhores práticas, desde a limpeza e manutenção até a atenção aos mínimos detalhes da estratégia gerencial para servir o “convidado” de uma maneira única e inesquecível que envolve os setores estratégicos, táticos e o operacionais. As escolas como locais da educação deveriam zelar pela mesma em todas as instâncias.

O encantamento do cliente é apregoado pelos consultores de gestão estratégica, pois,  os mesmos entendem que a narrativa institucional deve ficar na memória afetiva e efetiva de seus destinatários, sejam, famílias, estudantes  ou comunidades do entorno que acreditaram e fortaleceram a marca para realizar sonhos de ver os filhos capacitados para os desafios acadêmicos e da vida. A Disney pode ensinar as escolas, isso, pois é reconhecida como empresa que através da diversão e entretenimento, atende com presteza sua clientela de diversas faixas etárias, deixando um “gosto de quero mais”.

Continue Lendo

Assine nossa Newsletter

Veja agora este vídeo

Comentários encerrados.