Guia para Gestores de Escolas

Como escolas apostam na livre criação para engajar seus alunos

Mais da metade dos formandos do ensino médio não sabe qual carreira profissional seguir; projetos autorais podem ajudá-los a escolher

A maioria dos estudantes ouvidos em uma pesquisa das professoras Jal Mehta, da Universidade de Harvard, e Sarah Fine, da High Graduate School of Education, em San Diego, se dizia entediada com a escola. Os poucos engajados eram aqueles que participavam de projetos criativos desenvolvidos por seus colégios.

“Acreditamos que um aprendizado poderoso acontece quando os alunos veem sentido no que estão fazendo”, concluíram em um artigo no jornal Los Angeles Times.

Alunos da Little Maker desenvolvem projetos autorais por meio de aulas mão na massa que utilizam sucatas

Uma das práticas que já estão sendo implementadas tanto nos EUA quanto no Brasil com base nessas ideias é colocar estudantes para desenvolver projetos autorais, um conceito cuja ideia central é liberá-los para criar coisas baseados em suas próprias inclinações e interesses.

Educadores afirmam que, com isso, eles se relacionam com o aprendizado de uma forma mais profunda que, como mostra a pesquisa de Mehta e Fine, não é alcançado no modelo tradicional de ensino (professor fala, aluno escuta).

As “coisas” criadas podem ser, de fato, tudo o que o estudante considerar válido: desde pintar uma tela, fazer um desenho ou produzir um vídeo temático até escrever um livro ou desenvolver um robô. O projeto autoral é, antes de tudo, um projeto do aluno.

Elaborar um projeto autoral permite, assim, que os estudantes adquiram conhecimento não apenas colocando a mão na massa, mas investigando e tentando responder questões, problemas ou desafios que fazem parte de suas vidas cotidianas.

Para Diego Thuler, CEO da Little Maker, metodologia maker desenvolvida para escolas, o conceito de projeto autoral significa também uma forma de aprender mobilizando vários tipos de ferramentas e conhecimentos diferentes.

“Quando os estudantes são liberados para construir seus projetos, ao mesmo tempo entregamos a eles a responsabilidade de investigar ferramentas, habilidades, processos e conhecimentos já existentes sobre como desenvolvê-los. Nesse movimento, várias áreas do saber são acionadas e, claro, apreendidas por eles no caminho”, diz Thuler. 

Para ele, os projetos autorais também podem ajudar a resolver um problema que faz parte do universo de 60% dos jovens em fim do ensino médio no Brasil, segundo a Cedaspy Professional School (CPS): a indecisão sobre qual carreira profissional seguir depois de formado. 

Especialistas argumentam que um dos motivos para isso é que os adolescentes saem da escola sem conhecerem a si mesmos — um processo que pode ser estimulado por meio do método do projeto autoral. “Quando há uma fusão entre o aprendizado escolar e os interesses pessoais, a prática gera uma ligação profunda entre aluno, conhecimento e o mundo ao redor. No final, ele reconhece no projeto o que lhe interessa na vida”, continua Thuler.

A diretora geral das unidades do Colégio Progresso, Campinas (SP), Cristina Tempesta, concorda. Para ela, estimular os alunos a desenvolver projetos autorais é um dos caminhos para engajá-los com a escola.

“As gerações que chegam hoje às escolas são mão na massa, elas querem fazer, exercer o protagonismo. São ainda colaborativas, por isso, propostas que oportunizam o exercício desses interesses são abraçadas com grande interesse pelos alunos”, diz Tempesta. 

“Em atividades autorais, aquele aluno que vemos desatento, compreendido como desinteressado, dá lugar a alguém dinâmico, empolgado. É nítida a mudança de postura, engajamento e preocupação com os resultados, sejam os compartilhados com os colegas, sejam os apresentados como produto de um determinado período de trabalho”, finaliza.

Receba nossas matérias no seu e-mail


Relacionados
× Fale conosco!