Guia para Gestores de Escolas

Como inovar sua escola com o uso de metodologias ativas

Não tem mais como escapar, inevitavelmente as escolas começaram a se preparar para a tão esperada – e necessária – mudança na educação. Alguns fatores influenciaram nessa tomada de decisão, como por exemplo:

  • Adequação à BNCC, buscando atender às competências gerais e habilidades de cada série
  • Reduzir a perda de alunos, já que os pais também já abriram seus olhares e estão buscando diferenciais pedagógicos
  • Gerar motivação e entusiasmo nos estudantes
  • Inovação para se adequar à nova geração
  • Promover novos caminhos para enriquecer a aprendizagem

Como diretora pedagógica, sempre fui a favor de uma proposta humanizada e participativa. Com visão democrática, os estudantes se sentem pertencentes àquele ambiente, estabelecemos uma relação de respeito e afetividade que está diretamente relacionada à forma como enxergam a escola, o aprender, e tudo o que permeia o fazer pedagógico.

Muito alinhada à pedagogia Freinet, uma proposta que coloca o aluno no centro do processo, ativo e participativo, que constrói, pensa, debate, elabora, prototipa, testa. O educando se torna tão envolvido nos projetos do grupo ou do professor, que sua aprendizagem está para além da escola e do que o professor ensina.

Este sempre foi o meu olhar para a educação, voltado para a valorização do discente, da conquista e do sucesso escolar, que desperta o prazer em aprender.

E olhando para as metodologias ativas, com todas as suas abordagens, entendo que o maior valor esteja nesta concepção, vai além das técnicas! É uma questão cultural, da identidade da escola, da comunidade escolar, que pode começar a ser construída a qualquer momento na sua instituição.

As metodologias ativas estruturam o conceito do aluno como protagonista e mostram caminhos para readequar os papéis dentro da sala de aula, ampliando as possibilidades de ensino e de aprendizagem.

As possibilidades de trabalho em metodologias ativas nos fornecem técnicas para promover o engajamento dos alunos, mas é preciso ir além. É preciso que a escola queira, de fato, construir um novo status quo, já que é uma mudança de paradigmas que impacta a todos na escola.

O alinhamento das expectativas é o primeiro passo para planejar os novos caminhos, é preciso que o corpo docente, a gestão, e a equipe administrativa estejam conscientes de onde se pretende chegar e do porquê de cada mudança que irá acontecer.

Em seguida, é preciso elaborar um plano de ação para envolver os alunos, definir como a proposta será passada aos pais, garantindo que todos estejam na mesma direção. É claro que a unanimidade é muito difícil, quiçá impossível em um ambiente tão diverso como a escola, mas o envolvimento da família será necessário já que muitas atividades serão feitas em casa e necessitará da participação dos pais, além de trazer todos para o caminho que se pretende seguir.

Nas minhas visitas em escolas e reuniões de pais, tenho percebido uma adesão muito tranquila aos novos modelos e propostas. Acredite, os pais estão esperando por isto!

O próximo passo, após entender quais abordagens serão implementadas primeiro, definir recursos e materiais que serão necessários. Mas é importante ressaltar que não é preciso realizar grandes investimentos financeiros, a grande mudança está na postura do professor, na condução da aula, na exploração de outros espaços além da sala, na compreensão das habilidades que serão desenvolvidas.

A inovação se faz pelas próprias pessoas, pelo olhar da gestão sobre aquele professor que agora sai da sala e vai para debaixo da árvore promover um debate. Ou daquele outro que deseja levar os alunos até a praça mais próxima para investigar se há focos de dengue no local, já que houve um caso na vizinhança da escola.

Além disso, o professor ser provocativo, questionador, fazer brilhar os olhos dos estudantes e instigá-los a aprender cada vez mais.

Neste sentido, a tecnologia, os materiais e os ambientes preparados para Metodologias Ativas são meios e não o fim.

Cada escola está em um nível de maturidade diferente para implementar inovação, algumas já testaram algumas técnicas, outras já trabalham por projetos, outras ainda já equiparam salas com recursos tecnológicos. Mas é importante ter em mente que inovar não é apenas realizar uma ação isolada, ou criar um laboratório de cultura maker que já define a escola como inovadora ou trabalhando com Metodologias Ativas, mas se já houveram essas iniciativas, você está no caminho.

Toda mudança gera desconforto pelo medo do novo, do desconhecido, em contrapartida desperta o brilho no olhar, um novo por quê na nossa trajetória profissional, trazendo outro sentido para a educação.

Vamos lá, é possível. Por nós, educadores, mas principalmente, por eles, nossos alunos! Vamos juntos?!

Receba nossas matérias no seu e-mail


Relacionados
× Fale conosco!