fbpx
Guia para Gestores de Escolas

Dica-Manutenção predial

Matéria publicada na edição 102 | Outubro 2014 – ver na edição online

A manutenção correta de um prédio escolar é essencial para garantir a boa conservação da estrutura. Ao ser realizada de tempos em tempos e de uma maneira segura, pode até reduzir os custos sobre os problemas que eventualmente surgem em um prédio. Um bom profissional deve compreender a visão geral de uma edificação, assim como suas instalações, acabamentos e estruturas e planejar uma matutenção preventiva.

Para uma boa matutenção, predial alguns pontos são fundamentais. Identificar os principais sistemas como hidro-sanitário, elétrico, fachada e equipamentos. Além de elaborar um programa de matutenção preventiva mantendo os registros das manutenções e suas verificações.

A manutenção preventiva é necessária e simples. Muitas limitações são evitadas seguindo poucos passos. O engenheiro civil José Pitágoras Leal, diretor da empresa Teckstone Consultoria e Planejamento de Obras explica que o recomendado é realizar um programa de matutenção preventiva para saber mais sobre cada caso: “A norma NBR 5674, sugere que seja elaborado um programa de manutenção preventiva, onde será informado qual a periodicidade dos serviços de cada sistema, componentes, atividade a serem executadas e o responsável pelo serviço.”

A vistoria, que deve ser feita por responsáveis pela manutenção da edificação, muitas vezes consegue impedir maiores danos para a estrutura. Segundo José Pitágoras, para circunstâncias específicas é indicada uma periodicidade diferente: “As vistorias devem ser feitas, periodicamente, pelos responsáveis da manutenção do condomínio ou edificação. Alguns componentes podem  ser realizados semanalmente, outros com maior período como fachadas, estrutura e impermeabilização.”

Para manter por mais tempo os frutos da manutenção, certas dicas são fundamentais.  Cuidados como seguir o plano de manutenção corretamente, executar os serviços com um acompanhamento de profissionais adequados e utilizar materiais e serviços de boa qualidade são essenciais.

Se não for realizada corretamente, danos maiores e persistentes podem surgir e causar sérios danos a estrutura e aos que utilizam o espaço. Deficiências no desempenho e na segurança de uma edificação são apenas algumas das situações que podem ocorrer. Para Pitágoras, certos defeitos tem como causa o descuido ao cuidar da estrutura: “Como por exemplo de uma má manutenção é a não verificação concisa de um problema de revestimento de fachada que pode ocasionar destacamento de material e ocasionar acidentes, infiltrações e também deixar com um mal aspecto.” Além disso, afirma que a segurança pode ser comprometida: “Também da avaliação de um problema estrutural ou fundação. Dos sistemas de proteção de descargas atmosféricas e sistema de incêndio, podem levar a sérios riscos de segurança e desempenho de uma edificação.”.

Uma boa manutenção consegue ser realizada seguindo poucos passos e evitar questões maiores que podem comprometer a vida útil do espaço.

Por Natalia Sayuri Melo

           

 

 

 

 

 

 

 

 

           

           

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Na sociedade do conhecimento, o ritmo da informação mostra-se cada vez mais acelerado. A era tecnológica atual indica movimentos e mudanças para uma geração conectada a todo instante, que consome informação em tempo real, ávidos por um novo panorama – principalmente educacional.  O professor de Cinema, Audiovisual e Motion Graphics Design na Universidade Anhembi Morumbi, Ed Andrade, acredita que as novas gerações cresceram sendo estimuladas e o velho esquema de aulas tradicionais não consegue atrair a atenção desses alunos por muito tempo.

“Não é o ‘recurso audiovisual’ que é importante, ele é apenas uma ferramenta, o que é realmente interessante é explorar a Linguagem Audiovisual na concepção e preparação de uma aula, palestra, apresentação, pitching etc.  A Linguagem Audiovisual (desde a história do cinema até hoje) desenvolveu estratégias de comunicação e expressão muito eficientes para a produção de narrativas ricas e que estimulam vários de nossos sentidos. Isso me parece estar mais em sintonia com a sensibilidade das novas gerações”, afirma. Destaque para a lousa digital, que substitui o quadro negro; o laboratório virtual; projetor de massa, que permite, por meio de uma câmera digital, projetar imagens de peças tridimensionais.

Esses mecanismos que surgem no mercado voltados à educação, apresentam uma infinidade de opções para desfrutar, em sala de aula, elementos atrativos, que possam encantar os alunos para a aprendizagem. Ou até mesmo transportar o teórico da matéria para visualizações e interações multimídia, favorecendo tanto o ensino para os professores, como o aprendizado para os alunos O professor Ed Andrade acredita que o primeiro passo é a capacitação dos educadores em linguagem audiovisual. “Vejo muitos professores utilizarem o recurso do projetor (PowerPoint), por exemplo, apenas para reproduzir textos, como um substituto de uma lousa tradicional. Isso torna o uso do recurso tão ou mais enfadonho do que técnicas tradicionais (livro de texto, lousa, etc)”, afirma.  Importante destacar que os recursos tecnológicos devem servir de apoio à aprendizagem que acontece nas aulas presenciais, e não apenas para transmitir as mesmas informações que antes se colocava no quadro negro.

Com tanta tecnologia voltada à educação, propondo novas metodologias pedagógicas, surge a reflexão se, o ensino tradicional será substituído por padrões tecnológicos. “O ensino está atrelado ao seu período histórico e tecnológico, então o ensino contemporâneo não tem como não incorporar a tecnologia. A grande questão não é se o recurso tecnológico vai ou não ganhar espaço em detrimento do ensino tradicional, a questão é como utilizá-lo da maneira mais eficiente, maximizando seu potencial e minimizando seus efeitos ‘colaterais’”, finaliza.

Receba nossas matérias no seu e-mail


Relacionados
× Fale conosco!