fbpx
Guia para Gestores de Escolas

Dica — Sistema de Segurança / Perímetro: prevenção e proteção começam pelo olhar externo

Matéria publicada na edição 73 | Novembro 2011- ver na edição online

Localizado no bairro do Morumbi, zona Sul de São Paulo, um dos bairros mais presentes no noticiário sobre assaltos na cidade, o Colégio Pio XII, escola tradicional e conceituada, com 1.320 alunos e circulação diária de 2.500 pessoas, acabou implantando um sistema integrado de segurança, com o objetivo de proteger e cobrir não apenas o fluxo de pedestres e veículos, mas o próprio perímetro externo às suas instalações.

Segundo o coordenador administrativo da instituição, Vicente Barbedo Brandão Neto, a segurança do colégio está composta hoje por um sistema que integra identificação individual de veículos por selo personalizado; guaritas e portões eletrônicos com procedimento de entrada permitida apenas com a identificação do condutor; estacionamento interno, fechado e próprio, com supervisão de porteiros e seguranças que fazem parte do quadro de funcionários; vigilância patrimonial terceirizada de 24 horas diárias; CFTV com cobertura dos espaços externos, internos e áreas de circulação; e utilização de rádio comunicadores entre porteiros, seguranças e auxiliares de classe.

Para o diretor de marketing da Abese (Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança), Oswaldo Oggiam, o sistema de segurança de uma edificação deve contemplar o conceito de “anéis de segurança”, em que a observação do perímetro constitui um de seus elementos-chave. A ele devem ser somados o controle de acesso e o monitoramento interno, utilizando-se de equipamentos de CFTV e sensores de presença, interligados a alarme eletrônico. “Muitas escolas instalam esses recursos somente em alguns ambientes, como salas de informática, situação bastante comum na rede pública, mas é preciso realizar hoje uma cobertura integrada e planejada de todos os aspectos que envolvem a segurança”, destaca Oggiam.

No Colégio Pio XII, o sistema foi implantado gradativamente e levou a um aumento de 11% no quadro de funcionários envolvidos com a área (totalizando dez homens), além de investimentos de R$ 157 mil em equipamentos, R$ 40 mil em treinamento e R$ 8 mil mensais para o monitoramento externo, contratado junto à empresa terceirizada (que disponibiliza mais oito profissionais). Já no Colégio Franscarmo, localizado na zona Leste de São Paulo e também vinculado à rede das Irmãs Franciscanas, mesma do Pio XII, o sistema de segurança comporta área de embarque e desembarque de veículos dentro da escola; monitoramento interno e externo com 32 câmeras de CFTV; portão de pedestres separado do de veículos e contra portão para funcionários; armários externos para guarda de material dos visitantes; reforço de grades internas no pátio de embarque e desembarque; porta de acesso ao prédio principal com fechadura eletrônica; e o espaço da Educação infantil separado fisicamente dos demais segmentos. Segundo o diretor Flávio Eura, a escola optou por não terceirizar os serviços. (Por Rosali Figueiredo)

Saiba mais

Flávio Eura
[email protected]

Oswaldo Oggiam
www.abese.org.br
[email protected]

Vicente Barbedo Brandão Neto
[email protected]

Receba nossas matérias no seu e-mail


Relacionados