fbpx
Guia para Gestores de Escolas

Educação superior nos Estados Unidos

Seria a escola o veículo de transformação e mobilidade social por excelência ou o sistema de ensino peculiar dos Estados Unidos cumpriria antes a missão de legitimar a “terra de oportunidades”?  Estaria a defesa apaixonada da escola como meio inconteste de ascensão social a serviço dos conservadores mais empedernidos, que enxergam tramas comunistas e ateístas em qualquer programa de ajuda aos pobres?

Sem ser conclusivo a respeito de questões como estas e de várias outras contradições que aponta ao longo deste estudo, Reginaldo C. Moraes reconstrói aqui a história da escola nos Estados Unidos desde as primeiras décadas do século 19, apontando os desafios impares que o país de inclinação imperial enfrenta em decorrência dessa condição.  A obra procura desvendar a estrutura do sistema, em que se embrenha um complexo conjunto de dispositivos concebidos através do tempo para formar as elites, incorporar os imigrantes e americanizá-los, fornecer força de trabalho qualificada, inventar e inovar, gerar uma indispensável cultura hegemônica.

O autor apresenta a evolução quantitativa e qualitativa do sistema educacional nos Estados Unidos, especialmente o superior, situando-a nos diferentes períodos históricos: da Segunda Guerra da Independência (1812) até a Guerra Civil; da Guerra Civil (1861-1865) até 1920; de 1920 a 1945, quando se dá o primeiro ensaio de massificação e modelagem do sistema de educação superior; de 1945 a 1970 – época dos chamados “gloriosos 25 anos” do pós-guerra; de 1980 em diante, período marcado pelas reformas de Ronald Reagan, que conjugaram neoliberalismo e warfare (a economia estimulada pela guerra).

A obra demonstra que as fases de desenvolvimento da educação no país vinculam-se a movimentos marcantes por parte do Estado, como o Morrill Act, que criou uma rede de escolas superiores mediante a doação de terras federais entre meados do século 19 e o começo do século 20.  Ou a reinserção dos veteranos (GI Bill), que massificou o sistema de ensino superior depois da Segunda Guerra e modificou fortemente sua estrutura, colocando o setor público e, principalmente, o governo federal e os governos estaduais como protagonistas da expansão. As diferentes etapas, o autor demonstra, relacionam-se a transformações de longo prazo na sociedade americana – demográficas, econômicas, na estratificação social e decorrentes da chamada “epoch-making innovations”, com processos e produtos revolucionários, identificadores de uma era (como a ferrovia, o automóvel, o avião, a informática e a telemática, a biotecnologia).

Hoje, afirma o autor, uma rica literatura crítica sobre a escola foca a desigualdade estrutural e singular daquela sociedade e adverte para o risco de se subestimar os efeitos educacionais de um fator não educacional – o impotente welfare state norte-americano. Ao mesmo tempo lança suspeitas sobre as lamúrias e denúncias acerca da “falência da escola” como canal de mobilidade social. “O problema, talvez se possa dizer, não está no mau funcionamento do canal. Está na suposição da mobilidade como elemento definidor dessa ordem social”, escreve Moraes, que ressalva: “Podemos dizer que a pesquisa acaba na beira dessa aporia e cobra essa discussão”.

Trecho

“Se aceitarmos os termos sugeridos pela análise de Reich que reproduzimos no último capítulo temos naquele país algo como 15% ou 20% das crianças e jovens educados em um bom ensino médio – em geral, duas dúzias de escolas privadas e as escolas públicas de subúrbios afluentes. Além disso, esses jovens, a fina flor da sociedade norte-americana, frequentariam ambientes intelectualmente ricos e instigantes, com acesso a recursos que lhes permitem seguir sendo essa “nata”. De outro lado, estão os 80% ou 85% que saem das high-schools menos “ricas” e, em sua maioria, ingressam em cursos de dois anos em community colleges. De fato, reciclam seu ensino médio deficiente e, assim, aparelham-se para a vida moderna. Uma parte, talvez um terço, desses estudantes dos two-year colleges consegue entrar nos programas de transferência, isto é, conseguem ingressar em programas de bacharelado ou escolas profissionais (Direito, Medicina, Engenharia, Economia). É pouco e é bastante, se pensarmos no volume absoluto. Mais interessante ainda é prestar atenção na forma de organização dessa fantástica rede de oportunidades e de captura de talentos. Ela é extremamente descentralizada, capilarizada: é quase certo que um desses jovens encontrará, a uns cinquenta ou sessenta quilômetros de sua casa, pelo menos, um ponto de acesso a tal ensino pós-secundário, o que, ao menos, repetimos, permite-lhe “tentar”. Muitos serão chamados, não necessariamente escolhidos. Talvez isso mostre alguma vitalidade no sistema, apesar de suas falhas e aparências enganosas. Talvez, também, indique um canal de legitimação da “terra das oportunidades” que a “América” ainda figura ser. Uma situação para lá de contraditória. Dramaticamente contraditória.”

Clique sobre a imagem para baixá-la em alta resolução

Ficha técnica

Preço: R$ 53

ISBN:  978-85-393-0559-9

Assunto:  Educação, Relações Internacionais

Idioma: Português

Páginas: 236

Edição: 1ª

Ano: 2015

Formato:  16 x 23

Acabamento:  Brochura com orelhas

  

Sobre o autor

Reginaldo C. Moraes é doutor em Filosofia pela USP e professor do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), da Unicamp. Publicou, pela Editora Unesp, O peso do Estado na pátria do mercado (2013), As cidades cercam os campos (2008, em coautoria com Maitá de Paula e Silva e Carlos Henrique Goulart Árabe) e Estado, desenvolvimento e globalização (2006).    

Receba nossas matérias no seu e-mail


Relacionados