fbpx
Guia para Gestores de Escolas

Rede social da comunidade escolar, o Edmodo coloca a sala de aula na “nuvem”

O Edmodo é uma rede específica para educadores, alunos e gestores. Descobri essa rede no final de 2011, e fiquei empolgado com a possibilidade de intercâmbio de ideias e compartilhamento de conteúdos e experiências num ambiente virtual especificamente escolar. Comecei a utilizá-la em minha escola, em parceria com alguns colegas.

A rede foi viabilizada em 2008, quando dois grandes grupos de investimento, o Union Square Ventures e o Learn Capital, introduziram a primeira injeção de capital capaz de concretizar o projeto de alguns entusiastas da área de tecnologia da educação, que visualizaram outra topologia de sala de aula – já em operação em demais ambientes – e criaram uma ferramenta formidável em termos de interação e organização da aprendizagem. Através do Edmodo, professores podem criar suas salas de aula virtuais, pequenos grupos para trabalho em equipe, além de se conectar com colegas de outras escolas e com comunidades de aprendizagem.

A rede cresceu e se tornou, ademais, um ambiente que permite organizar a dinâmica da sala de aula, como postar conteúdos, organizar tarefas e trabalhos, atribuir nota etc. Trabalhos podem ser feitos, corrigidos e comentados dentro da própria rede. As ferramentas de edição permitem ao professor iserir marcações, comentários e correções nos documentos. Além disso, os arquivos armazenados na biblioteca podem ser acessados sem a necessidade de redirecionamento para outro site ou programa.

Os participantes podem compartilhar materiais de estudo, links, apresentações, vídeos e acessar tarefas, notas e avisos escolares. O Edmodo também possui ferramentas institucionais para escolas e distritos, que podem ser acessadas gratuitamente pelos administradores de escola ou de bairro.

A parte gráfica oferece experiência de usuário semelhante ao Facebook, é intuitiva e de fácil manejo. O recurso “biblioteca” também está disponível para a conta de estudante, o que pode facilitar a vida do aluno na realização de trabalhos, além de lhe possibilitar a experiência de organizar suas próprias bibliotecas de estudos. A rede suporta diversos formatos de arquivo de texto, imagem e vídeo, de modo que ninguém precisa ficar desesperado quanto à compatibilidade de arquivos. O armazenamento é ilimitado, e fica na nuvem. Dessa forma, alunos e professores podem acessar seu material a partir de qualquer computador ou dispositivo móvel. Para tablets e smartphones, há aplicativos de graça.

A rede permite otimizar o tempo, oferecendo uma atenção mais personalizada, numa topologia não linear. Para a escola, seu uso representa uma considerável economia em serviços de TI. Além disso, uma escola obsoleta tecnologicamente pode dar um salto qualitativo e entrar na era tecnológica simplesmente usando dispositivos que a maioria dos alunos já possui.

O Edmodo opera a partir de San Mateo, Califórnia. Em dezembro de 2011, já com 5 milhões de usuários, a rede recebeu um aditivo de 15 milhões de dólares de dois outros grupos de investimento, o Greylock Partners e o Banchmark Capital. O acesso à rede permanecerá gratuito, e, em breve, alguns serviços premium serão oferecidos. Muitos investidores vão direcionar recursos para a educação nos próximos anos. Quiçá os professores que se dispuserem a alavancar seus métodos de aprendizagem neste novo contexto possam ampliar a margem de autonomia em que sustentam sua prática. Quem estiver interessado em atuar nesta rede, deve acessar o link do site – http://www.edmodo.com -, cadastrar-se como professor e começar a compartilhar suas experiências e conhecimento.

Por Rodrigo Abrantes da Silva*

rodrigo-abrantes*Rodrigo Abrantes da Silva é historiador e professor. Especializou-se em História Contemporânea pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), e atuou como pesquisador do Projeto Análise e do Núcleo de Pesquisas de Psicanálise e Educação (NUPPE) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (FEUSP). Edita ainda o blog www.aulaplugada.com.

Mais informações:  [email protected]

Receba nossas matérias no seu e-mail


Relacionados
× Fale conosco!