Guia para Gestores de Escolas

REFLEXÕES A PARTIR DE PENSARES DOS EDUCADORES SOBRE AUTORIA E FORMAÇÃO NA RELAÇÃO ENTRE TEORIA E PRÁTICA.

VERDADE (Carlos Drummond de Andrade)

 […] chegou se a discutir qual a metade mais bela.

As duas eram totalmente belas.

Mas carecia optar.

Cada um optou conforme seu capricho,

sua ilusão, sua miopia.

Continuando o artigo anterior:

 

O gestor educacional para realizar a gestão pedagógica de boa qualidade tem como dificultador a formação dos especialistas de educação, um projeto educacional para ter resultados se faz necessário bons professores. A realidade presente tem demonstrado que docentes com boa qualificação estão em falta, não por incompetência dos mesmos, mas pelas propostas de formações que receberam nas academias que formam profissionais para as áreas educacionais.

A construção de saberes não se dá a partir de leituras e reflexões distantes de um diálogo com o sensível real. Quem pensa que a partir de leituras se apropria de verdades, terá apenas parte da verdade, é necessário que compreenda que a verdade pensada por um, para também ser verdade de outros é preciso realizar o movimento de apropriação de concretização que se dá por meio da vivência e da experiência. Um professor que se construiu ou reconstruiu-se sem o ato de experienciar é ser simplesmente um profissional teórico sem a concretude do sentimento e da sensibilidade da ação pedagógica.

A construção do professor tem que vivenciar este movimento:

A partir da sensação percebemos o mundo; da percepção interpretamos os estímulos relativo a sensações, iniciando a tomada de consciência que conduz a formação de imagens, que se principia nas sensações recebidas, percebidas, interpretadas e nos permite realizar o registro das experiências vividas levando à simbolização, que nos permite representar uma experiência de forma verbal ou não verbal e chegarmos a conceituação/conhecimento que é o resultado de uma organização, de um saber a partir do vivido pela nossa capacidade de abstração, classificação, categorização, construindo a consciência das qualidades de um objeto ou de uma ideia.

Falar de construção de conhecimento é falar de viver o aprender, o fazer e o ser, o olhar para o objeto do conhecimento e refletir sobre, experienciar, sistematizar, concluir, ampliar e transformar o olhar que se tinha antes.

Desenvolver um projeto pedagógico sem criticidade, sem ser o autor é como escrever a partir do que outros escreveram sem a experiência do viver é, deixar de sentir o “cheiro e o sabor” é ser o outro e não autor é um plagiar de vivências de terceiros.

A formação dos profissionais de educação do nosso Brasil tem passado apenas pelo movimento da teoria sem o conhecer; nas academias as lições são teóricas, a vivência da prática docente está ausente, os estágios são proformas, não acontecem, os professores formadores, em sua maioria, nunca pisaram o “chão” das escolas, principalmente o da educação infantil, são declamadores de teorias que assumem a formação de novos professores para serem docentes da Educação Básica.

As formações falam de crianças abstratas, assim como de espaços, famílias e educadores também abstratos, porque a maioria dos formadores está longe das escolas, não conhecem as crianças na realidade deste tempo presente, das relações escolares no hoje, porque muitos nunca estiveram nelas como profissionais da Educação Básica e, em relação à educação infantil muitos não a frequentaram quando crianças é um espaço desconhecido de sua história.

Ensinar sobre o que se lê é diferente do ensinar sobre o que se estuda, presencia, diagnostica, planeja, replaneja, executa, acompanha, avalia, reavalia, conclui e celebra os resultados.  Assim como escrever distante do objeto de pesquisa é produzir abstrações de uma realidade.

É preciso pensar que a boa qualidade da escola passa significativamente pelo corpo de educadores (diretores, coordenadores, professores,…) e, salvaguardando exceções, não têm correspondido às exigências da realidade educacional e de um bom ensino e aprendizagem.

Frente a esse contexto o Profissional Gestor Educacional tem que ter como foco principal de sua gestão a Formação Continuada de Educadores.

Autores:

Emilia Cipriano – Doutora em Educação – PUC/SP

Claudio Castro Sanches – Mestre em Gestão Educacional – PUC/SP

Diretores do Instituto Aprender a Ser – Pesquisa e formação na área educacional.

Receba nossas matérias no seu e-mail


Relacionados
× Fale conosco!