Guia para Gestores de Escolas

Rematrículas 2021

A preparação para as rematrículas começou no primeiro mês de pandemia.

As escolas que fizeram um bom trabalho ao longo deste período, isto é, mostraram serviço e conseguiram engajar as famílias, terão sua fidelização maior; e as que conseguirem colocar as estratégias corretas de rematrículas e matrículas novas em prática, terão os melhores resultados.

As indefinições do mercado educacional quanto à data da liberação das aulas presenciais, a quantidade de pais que irão retornar, como a escola irá se comportar com os protocolos sanitários e as discussões sobre o ensino híbrido, são os assuntos da atualidade. Apesar dessas questões influenciarem o seu resultado, a rematrícula está relacionada ao período pós-pandemia.

Este contexto deverá estar claro na mente dos colaboradores e das famílias. No início do próximo ano, a prestação dos serviços estará normalizada e os alunos em aula.

Independente do retorno das aulas presenciais, todas as rematrículas deverão ser on-line. Segundo os protocolos de segurança, a escola precisa evitar ao máximo a entrada de pessoas em suas instalações, com exceção dos colaboradores e alunos, para não correr riscos desnecessários.

A pandemia incluiu a maioria das pessoas no mundo digital, porém as famílias das escolas de ensino básico não estão habituadas com rematrículas feitas pela internet. Nos últimos anos, o crescimento das rematrículas on-line foi muito modesto: em 2019, apenas 9% das escolas utilizaram esta modalidade, sendo que a sua maioria também conta com a opção de pagamento presencial.

Toda mudança e inovação exige um grau de aprendizagem significativo. Para que as rematrículas on-line não se tornem um entrave, será necessário um foco especial no treinamento dos colaboradores, dos pais/responsáveis, na gestão dos processos e na comunicação.

Um fator relevante para o sucesso da rematrícula é lançá-la no tempo certo.

Quanto mais inseguras estiverem as famílias, maior será o risco de perder o momento ideal e não chamar a atenção suficiente para que os pais se estimulem a pensar no ano seguinte e efetuar a matrícula.

Por esse motivo, é melhor lançá-la, no mínimo, duas ou três semanas após o retorno das aulas, mesmo que estas sejam semipresenciais. Por outro lado, não deve ser iniciada muito próximo do final do ano, para não coincidir com o período de captação de clientes que, provavelmente, será mais predatório que os outros anos.

O processo pode ser realizado por uma ou mais pessoas, envolvendo as áreas administrativa e financeira para gerenciar os softwares e os resultados da rematrícula; a área de atendimento para auxiliar nas dúvidas e, posteriormente, na cobrança da sua efetivação.

Receba nossas matérias no seu e-mail


Relacionados
× Fale conosco!